O verdadeiro vencedor das eleições: como o tráfego pago ganhou em 2022?

Esse papo não é sobre política. Nas eleições deste ano, os grandes ganhadores não têm partido, muito menos eles se candidataram.

O vencedor improvável deste ano (que comemorou antes mesmo de qualquer resultado) foi o famoso tráfego pago.

Ao todo, contando todo tipo de impulsionamento de conteúdoforam investidos mais de R$225.193.348,79 para distribuir propaganda eleitoral nas redes, se tornando a 9º maior despesa de todas as campanhas políticas, segundo o próprio TSE.

No Ranking de Fornecedores, disponível no site oficial de divulgação de contas do TSE, os primeiros colocados foram Facebook (R$ 74 milhões) e Google (R$63 milhões), seguido da DLocal e da Adyen, duas empresas de pagamentos cujos serviços são usados pelas plataformas.

 Alguns dados:

  • Segundo dados levantados nas plataformas do Facebook Ads, o gerenciador de anúncios do Facebook e do Instagram, o custo por mil visualizações (CPM) de um anúncio aumentou 1800% na primeira quinzena de campanha eleitoral.
  • Em 2018, o CPM foi de R$13,41; em 2020, nas eleições municipais, de R$75,50; nestas eleições, até agora, o CPM já ultrapassou os R$96.
Autor: higor torrez

Você também pode gostar de...